O Botafogo ainda tem planos para executar antes de se transformar em clube/empresa. Enquanto o projeto não sai do papel, o clube precisava ativar o plano de sócios-torcedores. E nada melhor que duas contratações de impacto para resolver a questão. Keisuke Honda foi o primeiro e alavancou os números.

Quando se iniciou as conversas pela contratação do japonês, o Botafogo tinha 21.663 sócios-torcedores. O número saltou para 29.226. Com a contratação de Salomon Kalou, a expectativa é que o crescimento siga expressivo, embora não haja uma meta oficial. Nos bastidores, se fala em 40 mil como algo bastante satisfatório para o momento.

O marfinense só foi contratado porque as negociações com Yaya Touré, prioridade do clube após fechar com Honda, não deram certo. O ex-jogador do Barcelona chegou a trocar o clube por uma proposta do candidato do Vasco Leven Siano, mas recuou da ideia de jogar no Brasil e deixou os dois envolvidos insatisfeitos.

Obi Mikel, então, era a primeira alternativa. O nigeriano, no entanto, pediu muito alto e não viu a torcida comprar a ideia da contratação. Totalmente diferente de Kalou, que logo deixou os botafoguenses empolgados com sua chegada. A química voltou a rolar e as tratativas avançaram.

Vale ressaltar que por mais que as contratações tenham tido o apelo esperado, a diretoria espera muito da dupla também em campo. Honda chegou mais cedo e tem encantado a todos com seu profissionalismo no dia a dia. Além disso, mostrou qualidade em campo e que será importante na temporada.

Kalou, por sua vez, ainda sequer chegou ao Botafogo. No Hertha Berlim teve boas temporadas, mas não a última, quando atuou em apenas sete jogos. Segundo o Alvinegro, os alemães queriam a renovação, mas o marfinense preferiu respirar novos ares e por isso perdeu espaço no elenco. Fonte: UOL