Em entrevista ao canal Zico 10 do YouTube, o técnico Paulo Autuori traçou seu objetivo como técnico do Botafogo a partir de agora: montar uma equipe competitiva para passar pelo Campeonato Brasileiro de forma tranquila em meio à transição do clube para o modelo de S.A.

Paulo Autuori chegou ao Botafogo em fevereiro, depois da demissão de Alberto Valentim, e comandou a equipe em apenas cinco jogos antes da paralisação do futebol por conta da pandemia do novo coronavírus: três pelo Carioca e dois pela Copa do Brasil.

– O Botafogo hoje, em termos ofensivos, tem jogadores muito interessantes, com qualidade. Temos que achar o equilíbrio, esse é o nosso desafio. Não dá para vender ilusões, mas o importante é a equipe ter um nível técnico competitivo que permita fazer um Campeonato Brasileiro tranquilo nesse momento de transição – explicou Autuori.

O técnico do Botafogo destacou a chegada de Honda como um fator importante para o clube atravessar esse momento difícil.

– Temos que ser realistas. A história do Botafogo é riquíssima e qualquer clube grande quando passa momentos de dificuldade, como a grande maioria dos grandes clubes brasileiros tem passado, precisa ganhar, ter uma equipe competitiva, de qualidade, mas ao mesmo tempo a realidade financeira do clube não permite fazer contratações de impacto para dar um salto de qualidade. E, ao mesmo tempo, o torcedor necessita de ídolos. Por exemplo, a vinda do Honda proporcionou um incremento no sócio-torcedor inacreditável, que permitiu ao clube a saldar algumas coisas em termos de salários. É um excelente jogador – frisou.

Mudança de função só por gratidão ao Botafogo
Paulo Autuori já tinha abandonado a carreira de técnico e, antes de retornar ao Botafogo, trabalhou no Santos como coordenador-técnico, função que já havia desempenhado em Fluminense e Athletico-PR. Ele conta que aceitou voltar a ser treinador só para ajudar o Glorioso, clube pelo qual foi campeão brasileiro em 1995.

– Meu objetivo não é mais ser treinador no Brasil e abri essa brecha porque devo tudo a esse clube. Gosto de estar na parte técnica com as comissões, não só com a primeira equipe, mas também com as categorias de base. O Botafogo tenta passar por uma mudança em relação àquilo que pode ser um modelo que não é usual, ainda não é o que vai ser aprovado na legislação. Eu me disponibilizei em contribuir com o que for possível, nesse momento como treinador – frisou.

‘Obrigação em fazer o melhor’ para Espinosa
Autuori foi perguntado por Zico, ídolo do Flamengo, sobre a importância de Valdir Espinosa em seu retorno recente para o Botafogo. Espinosa era gerente-técnico do Alvinegro e faleceu no dia 27 de fevereiro, duas semanas após a chegada de Autuori.

– Soube depois da importância dele nisso. Até por isso temos a obrigação de fazer o melhor trabalho possível e contribuir com o clube, em homenagem a ele – disse Autuori.

Veja o vídeo da entrevista de Autuori para Zico:

Fonte:Canal Zico 10