Adiantamentos, cofres vazios e crise política, O pior mês do Botafogo será sempre o próximo

 Adiantamentos, cofres vazios e crise política, O pior mês do Botafogo será sempre o próximo


O 2019 do Alvinegro já se anunciava dramático desde o início do ano, mas o mês de julho tem sido especialmente devastador; clube busca medidas rápidas para aliviar situação

O 2019 do Botafogo já se anunciava dramático desde o início do ano. Parecer do Conselho Fiscal em cima do balanço referente ao exercício de 2018, publicado em abril, destacava déficit na receita bruta do clube e elevação da dívida. Segundo a empresa de marketing esportivo "Sports Value", do especialista Amir Somoggi, oAlvinegro é o maior devedor do futebol brasileiro: R$ 730 milhões.

Mas o mês de julho tem sido especialmente devastador. Já desgastados com a rotina de atrasos, os jogadores fizeram o segundo protesto no ano e resolveram se calar. Com dois meses, premiações e direitos de imagem em aberto, fecharam-se na ideia de só voltarem a conceder entrevistas após que pelo menos parte do débito seja quitado.

Não há previsão, porém, para o acerto e já existe o temor que, caso se chegue a três meses de salários atrasados, jogadores procurem a Justiça a fim de se desvincularem de forma unilateral.

Sala de imprensa do Botafogo está fechada desde a última quarta — Foto: Emanuelle Ribeiro/GloboEsporte.com

+ Impaciência, espera por patrocínio e frases de efeito: Botafogo busca soluções para crise

Dificuldades para a captação de recursos

O quadro de penúria financeira é claro, e o clube, sufocado por penhoras, dívidas trabalhistas e com a União, não consegue recursos para amenizar o clima junto aos atletas nem para pagar funcionários, que não receberam o mês de junho.

A busca por um patrocinador master segue sem sucesso desde fevereiro, quando a Caixa deixou o clube. O Botafogo, aliás, ainda tem a receber da instituição federal, mas na luta para reconquistar as CNDs (certidões negativas de débito) necessárias, tais recursos não entram.

A Kappa, nova fornecedora de material esportivo, só entrará no uniforme em setembro, quando as peças serão lançadas. Com o estoque da Topper, que atualmente estampa sua logomarca na camisa alvinegra, praticamente esgotado, o clube encontra mais um entrave para a obtenção de receitas.

Figuras importantes são convidadas

Acuado, sem respostas e, principalmente, sem o faz-me rir para o elenco, o departamento de futebol do Botafogo, capitaneado por Anderson Barros, tem convidado figuras importantes do clube a se aproximarem do dia a dia dos atletas. A iniciativa de convocar ídolos e pessoas que têm o hábito de ajudar o Glorioso partiu de Eduardo Barroca, coube a Anderson entrar em contato com essas pessoas.


Ex-jogador Afonsinho esteve no Nilton Santos há alguns dias a convite de Barroca — Foto: Vitor Silva/Botafogo

Presidente campeão brasileiro em 1995 e alvinegro que corriqueiramente injeta dinheiro no futebol para amenizar crises, Carlos Augusto Montenegro foi convidado a assistir a um treinamento da equipe nesta semana, mas, devido a compromissos, não pôde comparecer.

Se julho é dramático, agosto promete desgosto

Montenegro, que ajudou a pagar salários recentemente e avalizou a contratação de Diego Souza - o vice de futebol Gustavo Noronha, inclusive, o citou na apresentação do centroavante -, qualifica o cenário atual como desanimador.

 

"O pior mês do Botafogo será sempre o próximo. Não tem essa de mês de julho ou agosto. Está desanimador", disse .

 

- O pessoal todo é bem intencionado, por isso eu ajudo, mas fechados numa redoma. Eles não sabem o que está acontecendo fora. O que os botafoguenses acham. Acham que sabem tudo e resolvem tudo. Teve uma época em que imaginavam que não precisavam de ninguém, agora está batendo desespero - emendou Montenegro.

O ex-presidente ainda pontua que a composição para a entrada dos irmãos Moreira Salles, tratados pela torcida como salvadores da pátria, foi abordada de maneira morosa no início do processo.

Carlos Augusto Montenegro — Foto: Marcelo Baltar

A auditoria contratada pelos Moreira Salles junto à Ernst & Young foi finalizada em julho. É aguardada a volta ao Brasil de Walter, um dos irmãos e atualmente fora do país, para que as conversas ganhem corpo.

Cláudio Good, escocês que foi vice de finanças do clube com Bebeto de Freitas e também outro parceiro em momentos difíceis com aporte financeiro, esteve presente no Nilton Santos na última semana.

Além de levar pessoas que ajudam o Botafogo diante do atual cenário, Anderson Barros também tem convidado para os treinos esportistas com história em General Severiano. Afonsinho esteve com Eduardo Barroca e, nesta quinta-feira, o técnico Sebastião Lazaroni visitará os atletas.

Adiantamentos que comprometem presente e futuro

Se na gestão de Carlos Eduardo Pereira (2015 a 2017) a situação financeira foi mais tranquila, os diversos adiantamentos realizados (principalmente nas cotas de TV) no período deixaram a vida de Nelson Mufarrej, o atual presidente, mais complicada.

Em 2019, ao menos até agora, o Botafogo vem sobrevivendo mês a mês graças às vendas de jogadores (Igor Rabello, Matheus Fernandes, Leandro Carvalho e Glauber), um empréstimo recente - que contou com o percentual de atletas da base como garantia - e a ajuda de botafoguenses ilustres.

Um adiantamento de R$ 40 milhões junto à Globo, obtido em 2015, são descontados em cinco parcelas anuais desde 2016, três de R$ 6 milhões e outras duas de R$ 11 milhões. O parcelamento se encerra em 2020, conforme está previsto no orçamento publicado pelo site oficial do clube.

Um outro adiantamento fez o Botafogo renunciar ao recebimento de R$ 3,3 milhões mensais referentes ao Pay Per View.

Possíveis vendas

Embora tenha iniciado o Brasileiro de forma consistente - é sétimo colocado, com 15 pontos -, o Botafogo sabe da necessidade de se fazer caixa com vendas.

No orçamento alvinegro, há uma projeção para a captação de R$ 40 milhões em vendas de direitos econômicos. Penhoras à parte, o clube tem se aproximado do objetivo.

Foram R$ 15 milhões por 75% dos direitos econômicos de Matheus Fernandes, R$ 13 milhões por 70% de Igor Rabello, R$ 3 milhões por 40% de Leandro Carvalho e R$ 2,5 milhões por 70% de Glauber.


Venda de Gatito pode aliviar cofres alvinegros — Foto: Jorge R Jorge/BP Filmes

Do atual elenco, Gatito Fernández está bastante valorizado e tem recebido sondagens. Alex Santana, com muitos gols no primeiro semestre, é outro na vitrine. Há uma cláusula de liberação de seis milhões de euros caso chegue uma proposta pelo volante.

Venda que pode acontecer em breve é a do atacante Ezequiel, atualmente emprestado ao Sport. Ele tem proposta do Athletico-PR, mas os R$ 4 milhões oferecidos por 50% de seus direitos econômicos são considerados baixos. O Palmeiras monitora o jogador, um dos grandes destaques do Rubro-Negro pernambucano, e tem interesse em contratá-lo. O campeão brasileiro, porém, ainda não fez proposta.

Crise política e chacota

Asfixiado financeiramente e com pouca exposição dos atuais patrocinadores na mídia devido à ausência dos atletas na sala de coletivas, o Botafogo também está rachado politicamente. O grupo "Mais Botafogo", que conduziu Carlos Eduardo Pereira à presidência e na sequência Nelson Mufarrej, tem acumulado baixas.

CEP, vice geral do clube, foi o primeiro a deixar o grupo por discordâncias. Depois foi a vez de Cristiane Machado, VP social, e posteriormente Anderson Simões, responsável pela pasta estádios. O último, além de sair do MB, entregou a vice-presidência que ocupava.

Mufarrej tenta controlar crise política que divide o Botafogo — Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo

Notícia negativa que simboliza a crise financeira do Botafogo é referente ao desbloqueio de uma penhora de R$ 2.831.214,28 obtida em primeira instância pela empresa Hefesto Consultoria e Projetos Ltda.

Ao publicar decisão favorável ao Botafogo, o juiz Márcio Alexandre Pacheco da Silva, em seu despacho, informou que na conta do clube havia só R$ 33,22. O fato virou piada nas redes sociais e motivo de revolta para os botafoguenses.

Apoiado em figuras ilustres, com o pires nas mãos e rezando pela entrada dos Moreira Salles, o Botafogo precisa de soluções rápidas para que o bom trabalho de Eduardo Barroca não seja interrompido e que os meses de julho e agosto não sejam só de desgosto.

FONTE: GLOBO.COM