Polivalência, experiência, gols... o que Cícero pode dar ao Botafogo

 Polivalência, experiência, gols... o que Cícero pode dar ao Botafogo


Glorioso anunciou o jogador, que esteve no Grêmio em 2018, como um dos reforços para a nova temporada. Aos 34 anos, ele pode ajudar a equipe de Zé Ricardo de diferentes formas

O mais recente reforço anunciado pelo Botafogo foi o meia Cícero, de 34 anos. Contratação que causou controvérsia entre os torcedores, principalmente pela idade avançada do jogador. Mas a longa carreira do atleta mostra, em momentos mais recentes ou mais distantes, que há razões para os botafoguenses acreditarem em sucesso da passagem do novo contratado.

Jogo aéreo

Apesar de não ser dos mais altos (1,83m), Cícero se destacou, ao longo da carreira, por ter grande eficiência no jogo aéreo, principalmente no ataque. Deste modo, ele poderá suprir carência existente desde a saída de Rodrigo Lindoso para o Internacional. O volante era referência na equipe alvinegra nas bolas alçadas na área. 

Faro de gols

Mesmo sem ser um atacante de origem, os números do reforço botafoguense fazem inveja em muito camisa 9. Alguns gols, inclusive, são marcantes, como o marcado no primeiro jogo da final da Copa Libertadores de 2017, pelo Grêmio. Em 2016, pelo Fluminense, ele foi às redes 16 vezes em 61 ocasiões em campo. Pelo Santos, em 2013, foram 24 gols em 66 partidas.

Experiência

Os 34 anos e as passagens por dez clubes antes do Glorioso não deixam dúvida: o meio-campista passou por momentos de sucesso e outros de dificuldades individuais e coletivas. E considerando que o início de ano alvinegro já foi turbulento, saber lidar com as instabilidades é algo que a idade vai, naturalmente, lhe permitir.

Especialmente num time tão jovem. Após perder jogadores como Jefferson, Dudu Cearense e Rodrigo Lindoso, o Botafogo tem no goleiro reserva Diego Cavalieri seu atleta mais velho (36 primaveras). Cícero passa a ser, deste modo, o segundo mais experiente, e apenas o quinto atleta do elenco com mais de 30 anos já completados.

Polivalência 

Ao longo da carreira, Cícero atuou em diferentes posições. Surgiu como segundo volante, já atuou como articulador central, ponta esquerda, atacante e até lateral-esquerdo. Seja qual for a preferência do técnico Zé Ricardo, não será novidade para o jogador.

Propensão a lesões

Mas nem tudo são flores. Por onde passou, Cícero deixou gols, mas também acumulou semanas no departamento médico. E por não ser mais garoto, não será surpresa se o cenário se repetir no Alvinegro.

FONTE; LANCENET