Em má fase, atacante Kieza aumenta desgaste no Botafogo

 Em má fase, atacante Kieza aumenta desgaste no Botafogo


É evidente o desgaste entre Kieza e o torcedor do Botafogo neste início de temporada. Com a devolução de Brenner ao Internacional e a saída de Rodrigo Aguirre, então emprestado pela Udinese, da Itália, para a LDU, do Equador, a concorrência diminuiu para o centroavante. Além dele, Zé Ricardo conta somente com o jovem Igor Cássio para a posição.

Nesta temporada, Kieza, de 32 anos, foi titular nos seis compromissos do Clube da Estrela Solitária até o momento. Ele já acumula 415 minutos em campo, mas não balançou as redes. Internamente, a comissão técnica adotou o discurso de passar confiança para o atleta. Mas a diretoria parece não acreditar mais no potencial do camisa 9. Enquanto o Botafogo não volta a jogar pelo Estadual, o departamento de futebol monitora o mercado em busca de um centroavante. No entanto, o clube vem encontrando dificuldades para encontrar um jogador que se encaixe na realidade financeira alvinegra.

Em 2018, Kieza, que foi apresentado em 31 de janeiro daquele ano, disputou 40 partidas com a camisa do Alvinegro Carioca. Foram nove no Campeonato Carioca; uma na Copa do Brasil; três na Copa Sul-Americana e 27 no Campeonato Brasileiro, somando 2708 minutos jogados. O atleta começou entre os 11 em 27 oportunidades e contribuiu saindo do banco de reservas 13 vezes. O centroavante anotou 10 tentos.

Devido ao baixo rendimento, Kieza não agrada ao torcedor alvinegro. No entanto, a tendência é que o atleta siga como titular da equipe. O próximo compromisso do Botafogo é na quarta-feira (13) da semana que vem, contra o Campinense, às 21h30 (de Brasília), no Estádio Ernani Sátyro, em Campina Grande, na Paraíba. A partida é válida pela primeira fase da Copa do Brasil.

Roger e Brenner

Um ano antes de Kieza chegar ao Botafogo, as opções para a posição de centroavante eram Roger, atualmente no Ceará, e Brenner, hoje no Goiás. A dupla, no entanto, viveu uma relação de amor e ódio com o torcedor alvinegro.

O primeiro disputou 48 jogos, sendo 10 no Carioca; cinco na Copa do Brasil; 20 no Brasileiro e 13 na Libertadores. Foi titular em 44 oportunidades e contribuiu saindo do banco de reservas quatro vezes, acumulando 3631 minutos em campo. Com a camisa alvinegra, marcou 17 gols.

Já o segundo, em 2017, participou de 19 partidas, sendo 18 no Brasileirão e uma na Libertadores. Começou entre os 11 em 14 oportunidades e entrou no decorrer das partidas em outras cinco, acumulando 1112 minutos em campo e anotou seis tentos. No ano seguinte, atuou mais: 45 vezes. Foram 15 jogos no Carioca; um na Copa do Brasil; 24 no Brasileiro e cinco na Copa Sul-Americana. Foi titular 32 vezes e contribuiu saindo do banco em 10, somando 2789 minutos jogados e 10 gols marcados.

Rodrigo Aguirre frustrou a torcida alvinegra

Em 2018, o Botafogo contratou o uruguaio Rodrigo Aguirre, junto a Udinese, da Itália, por empréstimo. O atleta chegou ao clube com grande expectativa devido à fama de goleador em seu país. Porém, o jogador teve um péssimo desempenho. Na temporada passada, participou de 23 jogos, sendo 20 no Brasileiro e três na Copa Sul-Americana. Nesse ínterim, começou entre os 11 em sete oportunidades e contribuiu saindo do banco em outras 16. Somou 907 minutos em campo e anotou apenas um tento.

Este ano, até deixar o Glorioso, no final de janeiro, atuou em duas partidas na Taça Guanabara, sendo titular em uma e reserva na outra. Acumulou 98 minutos jogados e não marcou gols. Por isso, o uruguaio teve o contrato rescindido pelo Botafogo no final de janeiro. Mesmo em baixa no futebol brasileiro, o uruguaio foi disputado por diversos clubes da América do Sul, mas acabou acertando transferência para a LDU, do Equador.

Fonte: Esporte 24 Horas