Botafogo e Vasco duelam contra o rebaixamento em clássico de técnicos vira-casaca

 Botafogo e Vasco duelam contra o rebaixamento em clássico de técnicos vira-casaca
Botafogo e Vasco se enfrentam nesta terça-feira, às 21h (horário de Brasília), no Nilton Santos, pelo Campeonato Brasileiro, em jogo decisivo para a sobrevivência na luta contra o rebaixamento. O Alvinegro está um pouco mais tranquilo, enquanto o Cruzmaltino está na zona da degola. O clássico marca também o reencontro de técnicos que “viraram-casaca”.

Campeão carioca pelo Botafogo, Alberto Valentim hoje comanda justamente o Vasco, time que derrotou na decisão. Já o Alvinegro, agora, é liderado por Zé Ricardo, que na oportunidade acabou com o vice-campeonato. Em times opostos, ambos aceitaram a mesma missão de permanecer na elite do futebol brasileiro para 2019.


O trabalho de Zé Ricardo no Botafogo demorou a engrenar. Foram algumas rodadas até finalmente a equipe apresentar um padrão de jogo. Agora, o Alvinegro parece em uma crescente e dá indícios de que poderá escapar do rebaixamento antes do esperado.

“Sem dúvida (jogo deveria valer mais), pela tradição dos clubes. Tenho muito respeito pelo Vasco e pelo que tem sido construído no Botafogo também. A gente sempre tem a expectativa que clubes com esse tamanho estejam brigando em cima, mas essa é a realidade que temos hoje. Estamos nos preparando para isso, uma vitória poderá dar para a gente início à recuperação”, disse Zé Ricardo.

“Em um passado recente, nos enfrentamos algumas vezes, quis o destino que depois de algumas situações estivéssemos agora em lados opostos. Conhecemos os elencos, a forma de trabalhar de um ou outro, mas uma ou outra situação pode ser colocada. Tanto Botafogo quanto Vasco precisam vencer”, completou o treinador do Botafogo.

Para o clássico desta terça, o técnico Zé Ricardo teve boas notícias. Dúvidas, Luiz Fernando e Bochecha se recuperaram e estão à disposição. O lado negativo é que Gatito Fernández, como esperado, segue em recuperação e sem previsão de retorno aos gramados.

No Vasco, Alberto Valentim tenta ainda obter o prestígio que tinha no Botafogo. Com apenas uma vitória, três empates e quatro derrotas, o treinador procura dar seu padrão de jogo ao time em meio à dura batalha para fugir da zona de rebaixamento.

Após o empate em 1 a 1 com o Paraná, ele resolveu tocar em um assunto para lá de delicado no clube: a política e os efeitos da anulação da eleição de 2017 pela Justiça. Pedindo uma trégua à oposição, o técnico causou polêmica e levantou discussões, fato que o fez se justificar.

“Quando falei de política depois do jogo, acho que algumas pessoas interpretaram de outra forma. Não quero achar desculpa para o que não temos conseguido fazer em campo. Eu só pedi para estarmos todos juntos. A oposição poderia trabalhar junto sem tumultuar. Se bloqueia um empréstimo, atrasa salário. Isso não é favorável em um momento difícil. Mas aqui dentro vamos trabalhar da mesma forma, sabendo que temos que melhorar”, declarou.

No reencontro com Zé Ricardo, agora em lados opostos, Valentim acredita que ambos se conhecem bem, mas avalia que o Vasco teve mais perdas que o Botafogo em comparação com os times que se enfrentaram na final do Campeonato Carioca.

“Acho que é igual, até porque os jogos foram equilibrados. Conhecemos bem os times que trabalhamos. Mas vai até um certo ponto porque foram muitas mudanças. O futebol é dinâmico. O Vasco mudou mais porque perdeu mais jogadores. Além dos que saíram, perdemos outros que não estão disponíveis”, disse, referindo-se à série de jogadores lesionados.

Para o clássico desta terça, o treinador terá os retornos do volante Andrey e do meia Fabrício. Em compensação, contará com os desfalques do zagueiro Leandro Castan, suspenso, e do goleiro Martín Silva, convocado para a seleção do Uruguai. Entre os lesionados, somente o zagueiro Werley e o lateral direito Lenon têm chances de serem relacionados.

BOTAFOGO X VASCO

Local: Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Hora: 21h (horário de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (MG) e Sidmar dos Santos Meurer (MG)

Botafogo
Saulo, Marcinho, Carli, Rabello e Moisés; Lindoso, Matheus Fernandes e Bochecha; Erik, Luiz Fernando e Kieza
Técnico: Zé Ricardo

Vasco
Fernando Miguel, Rafael Galhardo (Lenon), Oswaldo Henríquez, Luiz Gustavo e Ramon; William Maranhão, Andrey (Giovanni Augusto), Yago Pikachu, Fabrício e Andrés Rios; Maxi López
Técnico: Alberto Valentim

Fonte: UOL