Pequeno alvinegro do Complexo do Alemão queria uma camisa do Botafogo e acabou entrando em campo

 Pequeno alvinegro do Complexo do Alemão queria uma camisa do Botafogo e acabou entrando em campo com o time

Ver o Botafogo pela TV hoje, contra o Bahia, às 21h45, na Copa Sul-Americana, vai ser diferente para Ruan. Além de seu time, ele torcerá por uns amigos famosos. É que o menino de seis anos foi a um estádio pela primeira vez no domingo. Mais do que ver a vitória de seu time, Ruan entrou em campo com os jogadores e fez algumas novas amizades. Entre elas, Rodrigo Pimpão, Joel Carli e Valencia. O último ainda deu uma camisa personalizada ao menino, uniforme completo e pares de tênis. Tudo do Botafogo, claro. Mas é que essa história começou com uma camisa do rival Flamengo.

Morador da Fazendinha, no Complexo do Alemão, Ruan brincava com uma camisa velha e rasgada do Rubro-Negro, quando foi visto pelo policial militar Anderson Galvez. O policial, que é vascaíno, estranhou a vestimenta. Ele sabia que o coração de Ruan batia pela estrela solitária. Anderson fez uma publicação nas redes sociais pedindo ajuda para conseguir uma camisa do Alvinegro, para Ruan não precisar vestir as cores do rival. Entre os que queriam ajudar estava Vanessa Barros. Ela fez o intermédio com o clube e conseguiu mais que a encomenda.

— Quando perguntei por que estava com a camisa do Flamengo, ele me disse que era a única que ele tinha para usar. Fui tentar conseguir uma blusa do Botafogo e ele acabou indo para o jogo e entrando em campo — conta Anderson.

Tímido e sorridente, Ruan diz que vai passar a acompanhar mais o time agora.

— Foi legalzão — resume o garoto .

 Apesar de Ruan ser conhecido por todos os agentes que atuam na UPP da Fazendinha, ele e Anderson tem uma amizade com um laço diferente, que vem das salas de aula. O policial é instrutor do Proerd (Programa Educacional de Resistências às Drogas) e foi professor do menino na escola municipal que ele estuda nos arredores do Complexo do Alemão.

— Tanto para o Ruan quanto para outras crianças, se aproximar do esporte pode ser uma forma de ficar longe do caminho das drogas. Tento passar isso. O próprio Neymar assistiu aulas do Proerd quando era criança e hoje é um dos principais atletas do mundo — diz o policial, relembrando que o astro do Paris Saint-Germain foi aluno do Proerd quando era criança, em Praia Grande-SP.

Ruan não costuma a jogar futebol, prefere soltar pipa. Mas Anderson acredita que a ida ao Nilton Santos mudou a visão do jovem em relação aos esportes.

 Objetivo principal é ajudar família de Ruan com uma nova casa

A casa de Ruan, uma das mais humildes da comunidade, fica próxima à UPP da Fazendinha, onde Anderson trabalha. Por isso, o menino é conhecido pelos policiais que trabalham por lá. Além do episódio do jogo do Botafogo, o cabo e seus companheiros tentam ajudar como podem.

Conseguiram uma bicicleta para o menino, deram roupas e cestas básicas, e fizeram uma festa de aniversário surpresa. O principal objetivo, porém, é ajudar a construir uma nova moradia para a família. O menino mora com duas irmãs, mãe e padrasto em um barraco precário de madeira, com remendos de papelão.

Para pessoas que estão dispostas a ajudar, Anderson criou até um perfil no Instagram: @ruangloriosodocomplexo. O garoto apareceu na conta de Leo Valencia, que se emocionou com Ruan: “apesar das dificuldades, ele é feliz com coisas simples”, disse o chileno.

 

FONTE; EXTRA ESPORTE ONLINE