Missão para Zé Ricardo, lados do Botafogo carecem de ajustes

 Missão para Zé Ricardo, lados do Botafogo carecem de ajustes
Novo técnico do Glorioso já afirmou querer trabalhar em cima dos 'brios' dos jogadores do Glorioso, mas laterais e pontas mostram inconsistência desde o início da temporada

Na entrevista coletiva de apresentação, Zé Ricardo falou sobre os "brios" dos jogadores do Botafogo que lhe chamaram atenção quando ele comandava os rivais. O novo treinador do Alvinegro lembrou até o time de Jair Ventura como exemplo do que pretende aplicar na equipe. Porém, as necessidades do Glorioso vão além. Muito além. 

Desde o início do ano, alguns jogadores vem se mostrando pilares, mas os pontos fracos - e que exigem ajustes - também são facilmente perceptíveis. Carli, Igor Rabello, Matheus Fernandes, Rodrigo Lindoso e Valencia tem sido dos mais frequentes nos bons momentos da equipe na temporada.

Em comum entre eles, o fato de atuarem habitualmente na faixa central do gramado. Acrescente-se à lista os poucos sustos que Saulo, Jefferson e o titular Gatito Fernández transmitem, mais o aproveitamento razoável de Kieza e Brenner no comando de ataque, e os lados da defesa e do meio/ataque se tornam preocupações maiores.

Na lateral direita, Arnaldo começou o ano, mas perdeu espaço e foi emprestado ao Ceará. Marcinho ganhou oportunidades a partir de Alberto Valentim e Luis Ricardo também ganhou oportunidades recentemente. Os três, todavia, geraram insatisfação da torcida por falhas na marcação.

Na esquerda, Gilson começou como titular, Moisés foi contratado e tomou a posição, mas é o primeiro quem acaba sendo mais eficiente no ataque, com assistências e gols. Na marcação, ambos já pecaram. Yuri foi quem jogou a última partida.

Nas pontas, no entanto, está o ponto de maior instabilidade nos últimos oito meses, visto que nenhum dos jogadores que recebe oportunidade se firma na direita ou na esquerda. A entrega de Rodrigo Pimpão, por exemplo, é evidente. Contudo, o atacante tem apenas quatro gols em 33 jogos no ano.

Ele normalmente atua pela esquerda. Luiz Fernando, Aguirre, Ezequiel e outras opções testadas por Felipe Conceição, Valentim e Marcos Paquetá somam raros momentos de brilho. Até Marcinho já atuou por ali.

- Não que a troca de treinadores seja legal, mas a experiência com diferentes treinadores faz com que você acabe aprendendo com um pouco de cada um, tentando tirar o melhor. Vai ser muito importante esse contato com o Zé - acredita o lateral, em entrevista ao site oficial do Botafogo.

FONTE; LANCENET